Quando um ato de empatia vira o jogo...

Em um mundo cheio de intolerância, ódio e violência, a empatia certamente é um sentimento que parece estar em falta no nosso dia a dia.

 

          Em um mundo cheio de intolerância, ódio e violência, a empatia certamente é um sentimento que parece estar em falta no nosso dia a dia. Diferente de piedade, ela é a capacidade de se colocar no lugar da outra pessoa e deixar de lado os próprios valores, sem julgamentos.

          Há alguns dias, a BigJungle teve a sorte e o prazer de encontrar uma pessoa que teve esse sentimento e nos ajudou bastante. Havíamos feito, sem perceber, um cadastro no Instagram com email incorreto (com o final “.com”, que na verdade era “.com.br”). Quando o próprio Instagram, por uma questão de segurança, mudou nossa senha automaticamente, precisávamos do acesso ao email cadastrado para confirmar  a autenticidade da conta.  E foi nesse ponto que nos deparamos com um problema monstruoso: havíamos cadastrado um email que não tínhamos acesso  e estávamos a ponto de, provavelmente, não conseguir recuperar uma conta de alguns mils seguidores no Instagram. 

gloria 

          Buscando todas as soluções possíveis, desde entrar em contato com alguém que trabalha no Instagram à comprar o domínio “BigJungle.com” e refazer o e-mail cadastrado, soubemos que este domínio já estava sendo usado. Pela internet, descobrimos quem era o responsável e vários detalhes pessoais que qualquer hacker falaria: “eu não disse”. Depois de tentar entrar em contato por e-mails antigos, números de telefones internacionais, tio, primo, mãe e pessoas que não tinham nada a ver com a história, uma resposta no facebook, no final da noite, me fez acreditar que nem tudo estava perdido.

          Gloria Ballard, 54, mãe de Jesse Ballard que havia registrado o domínio e mora em Tampa na Flórida, respondeu: “What can I help you with?” (“No que posso te ajudar?). Ela explicou que o domínio é dela e do filho para um projeto futuro e se disponibilizou a ajudar a resolver. Surpreendentemente, ela soube fazer o que era preciso para recuperar a senha e uma hora depois o problema estava solucionado. O que parecia impossível, com a ajuda de uma desconhecida do outro lado do continente, teve um “final feliz”.

          Ao aprofundar o papo com a Gloria, descobri que ela é viúva, mãe de dois filhos e parceira em uma fundação americana de prevenção ao suicídio chamada Out of Darkness Walks, que arrecada doações em suporte à causa. Ela se interessou pelo projeto depois que o “amor da sua vida” (palavras tocantes ditas por ela durante a conversa) e pai de seus filhos, Denny Ballard, se suicidou em 2008.

          De acordo com um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo menos uma pessoa se suicida no mundo a cada 40 segundos. Esse comportamento se tornou uma verdadeira epidemia de proporções globais e o projeto tem como objetivo lutar contra o suicídio e apoiar uma meta ousada da AFSP (American Foundation for Suicide Prevention) de reduzir a taxa de suicídio de 20% em 2025.

          Nosso contato com a Glória começou por um problema comercial, onde uma conta da agência estava em risco e ela nos ajudou sem pedir nada em troca. Ao conhecer mais sobre seu projeto, percebemos que, mais necessário que a atitude de empatia da Glória, é a nossa em relação a este problema social.

          Se temos mais a oferecer do que nossos simples “pêsames”, por que não agir enquanto é tempo? Caso tenha interesse em saber mais e puder doar, acesse: www.dennyballard.com!

gloria

 

          A empatia tem o poder de transformar tanto nossas vidas quanto de promover profundas mudanças sociais e atitudes fazem a diferença!

Ludmila Martins
Uma Internet Heavy User apaixonada por estratégia.
Social Media

Deixe o seu comentário

Artigos Relacionados